TST

TST homologa acordo entre Correios e entidades sindicais

Funcionários anunciaram a greve geral no início deste mês e reivindicaram reajuste salarial de 5%, mais R$ 300 de aumento e a permanência de alguns benefícios.O ministro Renato Paiva, vice-presidente do TST, homologou acordo feito entre a ECT – Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e entidades sindicais representantes dos empregados. O ACT – Acordo Coletivo de Trabalho é resultado de mediação e conciliação pré-processual e a primeira realizada em mais de 20 anos.

Os funcionários anunciaram a greve geral no início de agosto e reivindicaram reajuste salarial de 5%, mais R$ 300 de aumento e a permanência de benefícios, como a participação nos lucros ou resultados, assistência média e vale-cultura. O acordo fechado entre as partes garantiu 3,61% de reajuste salarial. O plano de saúde não foi discutido nessa audiência de conciliação.

O ministro Renato Paiva parabenizou os dirigentes sindicais e destacou a colaboração Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais. “A negociação foi cooperativa porque as partes buscaram solução em comum”, disse o ministro.

O presidente dos Correios, Carlos Roberto Fortner, comemorou a negociação realizada pelo vice-presidente do TST. “Parabenizo pela mediação feita no acordo histórico. Há 24 anos, não havia acordo coletivo feito dentro da data-base, sem deflagração de greve”. O secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), José Rivaldo da Silva, afirmou que não era o acordo esperado, mas que os trabalhadores entenderam que essa foi a melhor solução alcançada.

Para a conciliadora Ludmilla Gomes, da Vamos Conciliar, o acordo é uma grande conquista do TST.

“O tribunal deu um grande exemplo de que é possível resolver um conflito pela cultura do consenso. Os representantes sindicais também tiveram uma postura conciliatória e o resultado foi excepcional. A conciliação é a melhor alternativa.”

 

Fonte: Portal MIGALHAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *